Carta para o meu antigo eu…

Eu, uns 5 anos atrás.

Eu, uns 5 anos atrás.

Oi, meu bem.

Como você anda? Sei que você tem se sentido sozinha, confusa. Sei que você ainda é nova e que quer abraçar o mundo. Sei que você tem uma vontade enorme de agradar todo mundo. Sei que você tem medo do que está por vir. Mas deixa eu te contar umas coisas.

Daqui um tempo (não muito, para a menina da foto), você não vai mais estar sozinha nesse mundo. Sabe um garoto, que você conheceu anos atrás? Ele vai virar seu melhor amigo e seu namorado. Ele vai ser a melhor coisa que já aconteceu na sua vida e vocês vão passar muito tempo juntos (em 2015, já serão 4 anos).

Você ainda vai aprender muito; a querer agradar a si mesma, a ser mais independente, a pensar por conta própria. Você vai (finalmente) mudar de cidade e vai entrar em uma faculdade pública, não exatamente no curso que você quer hoje. Vai ser difícil, bem difícil, e vai continuar difícil. E eu ainda não sei como você vai se formar. Um dia eu conto isso.

Você vai passar por muita coisa, vai amadurecer e mudar seu jeito. Vai conhecer pessoas maravilhosas, vai deixar de conhecer outras (que no fim, nunca foram tão importantes assim) e vai continuar conhecendo quem realmente valia a pena. Vai continuar amando livros, vai ter mais um blog e vai ter ido para a Disney 2 vezes. Sim! Duas vezes! E sabe esse pensamento de que você ainda se sente muito nova, e que daqui uns anos vai se sentir mais adulta? Em 5 anos, você ainda vai pensar assim.

Você vai aprender a valorizar mais as coisas e as pessoas de um jeito ruim. Vai perder um laço muito importante na sua vida. Mas é assim que a gente cresce.

Sobre querer abraçar o mundo, vou te contar: não dá. Deixa de tentar. Não dá pra agradar todo mundo, pensar em todo mundo, querer tudo. É uma coisa de cada vez, e você vai ver que com o tempo algumas coisas perdem a importância.

Sei que o futuro (ou o passado?) não parece tão bom assim. Mas é, sim. Vai mudar muito, mas hoje eu sei que é bom mudar. Hoje, eu te diria para mudar mais. Para se arriscar mais, tentar mais, se arrepender menos, pensar mais. Te diria para se preocupar menos, esperar menos. Para tentar ser uma pessoa melhor; não para os outros, mas para você mesma.

Sinto muito se não te contei que você ia ganhar na mega sena ou entrar em Harvard, mas acredite em mim: você vai sobreviver.

Com amor,

a futura você.

Essa postagem faz parte do tema da Blogagem Coletiva do grupo

Coisas de Blogueiras e também está presente no grupo Rotaroots.

Anúncios

E se hoje fosse seu último dia?

a vida é curta, e não tem data de validade

Esse ano tem sido de muitas perdas, e isso tem me feito repensar um pouco a vida. Tem feito com que eu valorizasse mais quem eu amo, porque eu percebi, como diz minha mãe, que “a vida passa e não espera ninguém”. Ela passa, e acaba sem avisar, sem data de validade. Acho que a pior coisa da vida é não saber quando ela vai acabar. É pensar que todos nos vamos bem velhinhos, e de repente ir jovem. É não saber quando vamos perder quem amamos, e mesmo assim nós arriscamos e discutimos. E se não der tempo de perdoar? E se não der tempo de pedir perdão?

Eu, particularmente, tenho um gênio péssimo. Sempre me estressei muito fácil, sempre discuti muito fácil, e sempre fiquei de birra. Hoje eu paro e penso que sempre tive muita sorte em ter tempo de pedir desculpas e de ser desculpada. Muita gente não tem essa sorte, e eu não quero ser um deles.

E se hoje fosse seu último dia? Você se orgulharia de tudo que fez? Teria dito “eu te amo” pra todos que ama? Teria perdoado e pedido perdão?

A vida não vem com data de validade. Não sabemos quando vai acabar. Não só a nossa vida, mas a de quem amamos também. A vida realmente é muito curta, e não vale a pena desperdiçar esse tempo com coisas ruins.

Hoje, diga eu te amo, abrace, peça perdão, agradeça, mesmo que não vá ser correspondido, porque o que vale é estar bem com a sua própria consciência. Faça tudo o que tiver vontade, corra atrás de quem e do que quiser. Não deixe para depois. Amanhã pode ser tarde demais. Não corra o risco de se arrepender.

Apresentação e desabafo!

Oi gente!

Meu nome é Laís Zampieri, tenho 19 anos e sou aluna de Administração. Pretendo aqui fazer um blog que vá falar sobre quase tudo, desde resenha de produtos, faculdade, viagem e o que mais eu tiver pra oferecer!

Vou começar o blog com um assunto que tem sido presente nas redes sociais de diversas formas: educação e respeito.

Esses dias teve o caso do garoto que teve o braço amputado por enfiar a mão na jaula de um tigre. Ontem aconteceu algo que presenciei realmente desagradável em meu Facebook, onde um comentário inocente, que era uma brincadeira, acabou virando um problema grande, a ponto da pessoa deletar o Facebook e diversos sites espalhares prints do comentário da pessoa com o nome e foto. Todo dia vejo por aí uma falta de respeito imensa pavio curto, onde muita gente se ofende a toa e xinga todo mundo a toa, sem ao menos se conhecerem.

O que me leva a pensar, a que ponto chegamos? Em que lugar, em sã consciência, alguém desrespeita todas as regras (da natureza, diga-se de passagem) e coloca a mão em um animal selvagem, que está preso? Onde é normal alguém denegrir a imagem do outro, por pura maldade? Por que uma pessoa é rude com outra, sem nem ao menos conhecer?

Estamos chegando a um ponto que, se não repensarmos muita coisa, o mundo vai literalmente se perder. Só se espera o pior de todo mundo, porque quase ninguém mais oferece o melhor.

Perdão pelo post grande, prometo que os próximos serão menos filosóficos!

#maisamorporfavor